O delegado Arilano Botelho afirmou que Nivaldo e um comparsa, de nome Wendel Santana, agiam como estelionatários na compra e venda de veículos. (Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias)

O delegado Arilano Botelho afirmou que Nivaldo e um comparsa, de nome Wendel Santana, agiam como estelionatários na compra e venda de veículos. (Foto: Lay Amorim/Brumado Notícias)

Na noite da última quinta-feira (17), Nivaldo de Jesus Pinto foi apresentado na delegacia de Brumado. O homem, acusado de participar de fraudes dentro e fora da 18ª Ciretran, foi preso após o início da Operação BR-030. Em entrevista ao site Brumado Notícias, o delegado Arilano Botelho afirmou que Nivaldo e um comparsa, de nome Wendel Santana, agiam como estelionatários na compra e venda de veículos. Segundo Botelho, Nivaldo foi detido enquanto tentava negociar a compra e venda de um caminhão e de uma motocicleta em Bom Jesus da Lapa. Os veículos foram recuperados e serão entregues aos proprietários em Caculé. Ainda segundo o delegado, o acusado está colaborando com as investigações.

Na delegacia de Brumado, Nivaldo declarou que só praticava os delitos para preservar a família, pois era ameaçado por Wendel. “Ele foi na casa da minha sogra e ameaçou minha filha, minha mãe e minha avó. Eu estava trabalhando em Goiânia e ele ligou me ameaçando. Falava que ia matar minha filha e me obrigava a sair com ele. Pela minha vida eu não importava, mas importa para mim a vida de minha família. Na última segunda-feira (14), ele foi a Maracás atrás de mim com uma arma para me matar”, relatou o homem diante de toda imprensa. O delegado disse que Wendel Santana, que é considerado um dos principais membros da quadrilha que atuava na 18ª Ciretran em Brumado, está foragido. “Ele comprava os veículos e fazia as transações de documentação no Detran para que os veículos fossem vendidos”, concluiu Botelho.

Por: Brumado Notícias

Facebook Comments
Comentar