greve_marco_banner_facebook_postDesde o 17 de março que os trabalhadores em educação de todo o Brasil pararam suas atividades e estão se mobilizando pela educação pública de qualidade. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), que representa mais de 3 milhões de educadores das redes públicas de ensino de educação básica, estão exigindo o cumprimento da lei do piso, carreira e jornada, investimento dos royalties de petróleo na valorização da categoria, votação imediata do Plano Nacional de Educação, destinação de 10% do PIB para a educação pública, contra a proposta dos governadores de reajuste do piso e contra o INPC.

A paralisação iniciou no dia 17 e se estende até o dia 19 de março. Nesta quarta-feira(19), mais de 5 mil pessoas de todo o país estarão reunidas na capital, a partir das 9h da manhã, para um ato em defesa da educação, em uma tenda que será montada em frente ao Congresso Nacional em Brasília.

Professores de diversas cidades aderiram a paralisação. Em Malhada, no sudoeste da Bahia, professores que exercem suas atividades no Colégio Estadual Luiz Eduardo Magalhães cruzaram os braços desde o 1º dia de paralisação, sendo assim, os alunos da rede estadual estarão sem aulas até o dia 19, ou seja, quarta-feira. Segundo informações extra oficial, os professores da cidade de Carinhanha, Palmas de Monte Alto e Guanambi também aderiram a paralisação, dentre eles professores da rede municipal e estadual.

Redação: www.mediosaofrancisco.comgreve_marco_banner_facebook_post

Facebook Comments
Comentar