bolsa família
Diversas pessoas da cidade de Malhada, no sudoeste baiano, cadastradas no Programa do Governo Federal ‘Bolsa Família’, estão reclamando da redução do valor de seus benefícios.

Segundo uma beneficiária do referido Programa, residente na sede do município, a mesma recebia trezentos e poucos reais, o ano passado passou a receber cento e poucos reais e no mês de maio deste ano(2014), a mesma recebeu menos de R$100,00, o que segundo ela deixou a mesma em uma situação complicadíssima, pois o esposo vive do dia a dia de serviço quando aparece e justamente neste mês em que o mesmo estava sem trabalhar, recebeu uma quantia inferior e não sabe como pagar as contas.

Uma outra beneficiária residente na comunidade de Parateca, também ressaltou que o valor do seu benefício diminuiu quase 50% e a mesma tem 5 filhos e sobrevive deste beneficio. Uma outra malhadense ressaltou que foi até a caixa receber o seu beneficio e o mesmo tinha sido cancelado.

Mediante a situação, a reportagem do site conversou com a gestora do Programa Bolsa Família da cidade de Malhada, Sirleide Silva, na oportunidade, a mesma ressaltou que os referidos problemas não é algo interno, pois o que a secretaria simplesmente faz é cadastrar as pessoas e enviar os dados corretamente dos beneficiários do Programa e se tem uma coisa que o prefeito mais pediu foi que as coisas fossem feita com transparência e em conformidade com a Lei. Segundo a gestora, muitas famílias são cadastradas, mas a maioria não conhecem o regimento do programa e por não conhecer acabam fazendo questionamentos infundados, a mesma tem sido cobrada pelo gestor a prestar esclarecimentos para a sociedade malhadense e atendendo a solicitação do gestor, a mesma já tem ido por várias vezes até as emissoras de rádio de Carinhanha prestar os devidos esclarecimentos e deixar a população informada a cerca dos assuntos relacionados ao Programa Bolsa Família.

Segundo ela, alguns beneficiários estavam recebendo o benefício de forma irregular, uma vez que tinha pessoas que eram aposentados, empregados e outros que ultrapassavam a renda per capita exigida pela lei, obrigando, assim, o governo a fazer um check-up e decorrido deste levantamento, muitos tiveram seus benefícios bloqueados e outros perderam os R$77,00 por não enquadrar mais no estatuto do Programa, inclusive o sistema está fora do ar por estes dias, pois o governo federal esta analisando as situações pendentes com o intuito de resolver o problema e mais pessoas poderão perder o benefício, caso a sua renda seja superior ao estabelecido pelo regimento do Programa.

Nesta oportunidade, a gestora passou algumas informações para a reportagem do site e estas informações baseadas
no decreto de Nº8.232 de abril de 2014, podem auxiliar e até mesmo responder as indagações feitas por alguns beneficiários do Programa. Confira:

* Para saber se a sua família tem direito a ser beneficiada pelo Programa, divida a sua renda mensal pela quantidade de pessoas residentes em sua casa(Pai, Mãe e filhos), caso a sua renda per capita seja um valor inferior ou igual a R$77,01, você terá o direito de receber um valor total de R$77,00 e mais R$35 por cada criança que tenha idade entre 0 a 15 anos;

* Se a família é pobre ou extremamente pobre e os filhos são adolescentes de 16 e 17 anos e a sua renda per capita seja um valor inferior ou igual a R$77,01, você terá o direito de receber um valor total de R$77,00 e mais R$42 por cada filho adolescente;

* A renda per capita da sua família ultrapassou R$77,01 e está abaixo de R$154,00 ou igual a este valor, será que ela tem direito a ser beneficiada? Neste caso, a família tem direito de ser beneficiada pelo Programa, porém, somente os R$35 por cada criança que tenha idade entre 0 a 15 anos ou R$42 por cada filho adolescente de 16 e 17 anos. Os R$77,00 o beneficiário não pode receber.

* Se a renda per capita da sua família ultrapassou R$154,00, você não tem o dinheiro de ser beneficiado pelo programa. Para saber, é só dividir a renda mensal pela quantidade de pessoas que residem na sua casa(Pai, mãe e filhos) e estes tem sido um dos fatores que tem resultado no cancelamento de alguns beneficiários.

Pedimos aos beneficiários que analise suas situações de acordo com cada item mencionado acima e caso não esteja recebendo de acordo rege a lei, procure a gestora Sirleide na Secretaria de Assistência Social da cidade para averiguação e resolução do problema. Lembrando que estes valores estão atualizados de acordo o aumento de 10% concedido pela Presidente Dilma Rousseff, valendo assim, desde o dia 1º de junho do corrente ano.

O espaço fica em aberto para queiram manifestar sobre o assunto.

Redação: www.mediosaofrancisco.com

Facebook Comments
Comentar