assalto



Cansados do aumento na quantidade de assaltos a lojas, os empresários de Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, resolveram fazer um protesto diferente. Nesta quinta-feira (4), diversas lojas do centro da cidade amanheceram com cartazes e avisos que diziam: “Eu já fui assaltado. O próximo pode ser você”.

Segundo dados da Polícia Militar (PM), no primeiro semestre deste ano, foram registrados 155 crimes, um aumento de 32% em relação ao mesmo período de 2015, quando ocorreram 118 assaltos no mesmo período.

A loja do comerciante Eduardo Lacerda abre todos os dias, mas o cliente só entra depois que ele libera a trava eletrônica que instalou na porta. Ele tomou essa medida depois que o estabelecimento foi asslatado, uma semana após ser inaugurado. “Entrou um menino de bicicleta e levou as coisas o caixa. Por questão de segurança, a gente decidiu colocar uma trava para inibir as pessoas de entrar”, contou.

Felipe Santhiago da Silva Faria, que também é dono de um empreendimento na cidade, em sociedade com a esposa Raquel Cardoso Brandão Araujo, é uma das vítimas mais recentes dos assaltantes. “Na última quarta (27) fomos assaltados. Eram por volta das 13h15, quando chegaram dois meliantes, um de cara limpa e outro de capacete. Eles me abordaram no caixa, e o de cara limpa, de arma em punho, anunciou o assalto. Eles ainda renderam minha esposa e o vendedor e roubaram 41 relogios e quatro óculos, o que me deixou com prejuízo de R$ 10 mil”, conta.

“Está um caos. Não tem sossego. Em vez de os ladrões estarem presos, estão os comerciantes. Não tem polícia. Os policiais têm até boa vontade, mas são poucos. E poucos recursos para eles. Então a gente fica a mercê dos ladrões”, desabafa Felipe, que avisou que o protesto continuará. “Vamos permanecer com os cartazes até melhorar a segurança. Até tivermos mais policiamento nas ruas, mais viaturas. Se não tiver, continuaremos batendo o pé”, disse.

Comerciantes fazem protesto após aumento do número de assaltos na cidade (Foto: Guilherme/ Blog do Braga)

Comerciantes fazem protesto após aumento do
número de assaltos na cidade (Foto: Guilherme/
Blog do Braga)

Uma loja de uma rede varejista, também localizada no centro da cidade, já foi assaltada cinco vezes. Para tentar resolver a situação, eles contrataram segurança particular e determinaram uma regra: não pode entrar na loja usando capacete ou qualquer equipamento que impossibilite a identificação da pessoa.

Elisangêla Pivotto, proprietária de dois estabelecimentos, diz que os assaltos são constantes em Luís Eduardo Magalhães. “Um vez por dia, pelo menos uma loja é assaltada na cidade. Não fica um dia sem ocorrer um assalto ou uma tentatriva”, conta.

A empresária conta há cerca de dois meses, o número de policiais na rua havia sido aumentado, o que amenizou a situação. “Só que os policiais sumiram, e assim que eles saíram, teve uma avalanche de assalto. A gente está trabalhando de porta fechada, não sabe quem é cliente ou quem é ladrão”, acrescenta.

Para tentar encontrar uma solução, os empresários se uniram, criaram um grupo por onde se comunicam, que já conta com 150 integrantes, e passaram a discutir medidas. A primeira ação foi colocar os avisos nas vitrines das lojas, como protesto, mas eles querem mais. “A princípio, uma das reivindicações é a volta dos policiais, que é uma solução para amenizar nosso problema de imediato”, destaca Elisangêla.

Para subcomandante da 85ª CIPM, aumento na quantidade de assaltos é causado pela falta de políticas públicas (Foto: Reprodução/TV Oeste)

Para subcomandante da 85ª CIPM, aumento na
quantidade de assaltos é causado pela falta de
políticas públicas (Foto: Reprodução/TV Oeste)

O presidente da Associação de Comerciantes de Luís Eduardo Magalhães, Marcelo Piccolo, afirma que a falta de segurança já interfere na economia da cidade “Temos comerciantes que já foram assaltados três, quatro, cinco, seis vezes seguidas. E isto tem causado uma fuga de empresas da nossa cidade”, conta.

Para o subcomandante da 85ª Companhia Independente da Polícia Militar, tenente José Arlindo, o aumento no número de assaltos tem como causa a falta de políticas públicas e diz que a PM está intensificando o trabalho preventivo no centro da cidade. “Por mais que prendamos, por mais que abordemos, que revistemos, nunca vamos ter um índice de 100% de sucesso nas nossas ações, porque o contingente criminoso é muito grande e tem aumentado. Intensificamos as abordagens no centro e as blitze de trânsito, na tentativa de retirar principalmente motos”, destacou.

Para presidente da associação dos comerciantes, assaltos fazem os empreendimentos saírem da cidade (Foto: Guilherme/Blog do Braga)

Para presidente da associação dos comerciantes, assaltos fazem os empreendimentos saírem da cidade (Foto: Guilherme/Blog do Braga)

Comerciantes se uniram e decidiram realizar o protesto (Foto: Guilherme/Blog do Braga)

Comerciantes se uniram e decidiram realizar o protesto (Foto: Guilherme/Blog do Braga)




Fonte: G1 BA, com informações da TV Oeste

Facebook Comments
Comentar