Durante pronunciamento na abertura dos trabalhos legislativos da Câmara Municipal e em entrevistas concedidas à Imprensa, o atual prefeito de Palmas de Monte Alto, Manoel Rubens Vicente da Cruz (PSD), acusou o ex-prefeito Fernando Laranjeira (PMDB), de ter deixado uma dívida milionária junto ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Após solicitação da reportagem da Rádio Visão FM, a atual Administração encaminhou cópias do relatório completo do débito existente, bem como do valor de R$ 349.997,54 (Trezentos e quarenta e nove mil, novecentos e noventa e sete reais e cinquenta e quatro centavos), que fora sequestrado das contas da prefeitura, no mês de fevereiro, pela Previdência Social.

Em sua fala a uma emissora de Rádio da região, o prefeito reafirmou que a gestão que o antecedeu não efetuou os recolhimentos do INSS e ainda mencionou que recebeu uma ‘herança maldita’. “Hoje, a nossa dívida que foi deixada nesses últimos quatro anos, de março de 2013 até no final dessa gestão anterior, é na ordem de R$ 11.411.000,00 (onze milhões e quatrocentos e onze mil reais), isso não é pouco dinheiro, para um município do porte de Palmas de Monte Alto. É isso que nos dá indignação. Hoje, a receita Federal, com base na medida provisória 766, que foi editada em 04/01, quer que o município pague à vista 20% da dívida, para um refinanciamento, e parcele o restante em 120 meses“.

Segundo o gestor, o valor atual da previdência da folha de pagamento dos servidores efetivos está em torno de R$ 400 mil reais por mês, e juntando com o parcelamento, irá comprometer ainda mais as receitas do município e a prefeitura não tem condições de arcar com mais de 2 milhões para a entrada, “estamos numa situação de calamidade financeira“, disse o gestor.

O prefeito declarou que os órgãos de controle foram omissos. “Não concordo que a Receita Federal do Brasil um órgão de controle, deixar passar 4 anos, sabendo que o recurso que estava recebendo da previdência seria o mínimo e deixar o município comprometido (…). Tem determinadas situações que chegam onde chegam também por omissão dos órgãos de controle“, desabafou o chefe do executivo. Ele afirmou ainda, que “desde março de 2015, o município está inadimplente”.

Em entrevista também numa rádio da região, o ex-prefeito rebateu essas acusações, taxando essa atitude do atual prefeito de ‘teatro’, esclareceu que o recolhimento do INSS dos servidores foram repassados e que houve aposentadoria de servidores em outubro e novembro de 2016. Contudo, informou que a parte patronal as gestões sempre deixam de recolher, e que teria feito em 2013 uma negociação com o INSS de uma dívida de quase R$ 16 milhões referente às duas gestões do atual prefeito. “A União proporciona às prefeituras em final de ano uma negociação de INSS. Tem a parte patronal que sempre fica de todos os gestores. Essa negociação eu fiz na época do Rubens, quando ele deixou a primeira vez R$ 6 milhões e pouco, na outra R$ 9 milhões, somando as duas, dá quase R$ 16 milhões. Foi feita essa negociação e eu não fiz esse auê, eu não fiz esse drama, esse teatro que ele está fazendo“, esclareceu Laranjeira.

A nossa reportagem também já solicitou do ex-gestor os supostos documentos para que sejam comprovadas as acusações contra o atual prefeito mencionadas na entrevista.

Fonte: Vilson Nunes / Rádio Visão FM

Facebook Comments
Tags:, , , ,
Comentar